9:58As razões dos Reis

por Claudio Henrique de Castro*

 

A ideia do governo comandado por famílias reais remonta a Egípcios, Hebreus, Caldeus, Romanos e muitos outros povos do Oriente Antigo.

Fala-se inclusive da comunicação dos Reis com Deuses.

Há quem especule que os Deuses eram extraterrestres que deram poderes sobrenaturais para os Reis governarem a turba rude e ignara.

Seja como for, os Reis governavam até onde podem suas forças físicas e mentais – e são sucedidos por seus abençoados filhos ou descendentes.

A história política paranaense é repleta de continuísmos, famílias e sobrenomes que se sucedem nos poderes como se acreditassem num caráter divino que concede a eles o direito de exercerem o poder sobre o povo – esse ente indefinido e inodoro.

Já faz tempo, a ideia do poder monárquico foi suplantada pelas Revoluções Francesa e Americana, dos fins do século XVIII.

As famílias reais europeias reinam, mas não governam, ficaram reduzidas a uma espécie de novela das oito para o divertimento dos súditos.

Vive-se a alternância no poder porque se sabe que quem o exercita tende cometer abusos, mesmo nas democracias.

Os Reis exerciam o poder absoluto por se julgarem infalíveis, sábios e investidos de algo sobrenatural. A eles o povo devia reverência, o beija mão, o ajoelhar e abaixar a cabeça.

A ideia ressurgida neste ente enigmático intitulado FunCAP – do Clube Atlético Paranaense, não é nova na história do mundo ocidental. Porém, já foi testada por séculos e se concluiu que a melhor forma de Administração, com todos os seus defeitos, é ainda a Democracia, com a alternância no poder.

Reis e Ditadores existiram na história brasileira,mas isto acabou.

Numa Democracia, seja na política ou no futebol, apenas podemos conviver com reis Momos, a Festa de Reis e o Rei Pelé, mais ninguém!

 

*Advogado e professor de Direito

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>