18:54ARQUITETURA com o pensamento em Franz Kafka

de Laura Liuzzi

 

Encapsular o inferno
numa tarde sem mais
de Praga. No entanto
era ele quem deslocava
a cidade para a parede
incalculável de seus olhos.

 

Auscultar o pântano
de sua razão intranquila
até que nenhuma ponte
se arme para nossa passagem.

 

Inventar entradas falsas
(entrar sem sequer ter saído)
traços pontilhados, estradas.
Procurar praças estações catedrais
como um cão sem faro.
Como um cão fora de si.

 

Alcançar o fio cego do horizonte
por algum túnel longínquo
incomunicável; abastecer
o teto mais que o chão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>