6:47Após briga entre torcedores em Joinville, pai diz que nunca mais leva filho a estádio

Da Folha de S.Paulo, em reportagem de Jeferson Bertolini

“Meu filho começou a berrar: ‘Pai, nós vamos morrer’”, lembra o comerciante vascaíno Joel Meneghelli, 37.

Ele estava na arquibancada da Arena Joinville com o filho Igor, de 11 anos, quando começou a briga entre as torcidas durante a partida entre Vasco e Atlético-PR, no último domingo.

Era a primeira vez que o garoto via um “jogo grande” de perto, com times da Série A, conta Meneghelli.

Os dois viajaram 150 quilômetros de carro de Apiúna (SC), cidade com cerca de 10 mil habitantes onde moram, até o estádio, em Joinville.

Ficaram no mesmo setor onde estavam as torcidas organizadas do Vasco e não conseguiram escapar quando a pancadaria começou.

“Eu só via uma saída, mas não conseguia chegar lá. Todos começaram a correr. Procurei um canto e fiquei parado. Tentei me proteger e acalmar meu filho”, conta o pai.

No meio da confusão, rezou para que nada de grave acontecesse. Um torcedor do Atlético-PR tentou acalmá-lo: “O negócio não é contigo”.

Na primeira oportunidade que teve, depois que a intervenção policial reduziu a intensidade do confronto, Meneghelli pulou um alambrado com o filho e deixou o estádio. Estava, como diz, “aterrorizado”.

Ontem, dois dias depois do episódio, o filho do comerciante ainda dava sinais de estar traumatizado.

Meneghelli decidiu que nunca mais levará o garoto a um estádio, apesar de o filho jogar futsal e querer ser jogador profissional. “O que a gente viu no domingo foi terrível. Eu não vou levar meu filho e também não vou sozinho”, reclama.

O comerciante disse que, sozinho, já havia assistido a jogos do Vasco no Rio e em São Paulo.

Na avaliação dele, foi um equívoco não haver policiamento dentro da Arena Joinville. Apenas seguranças de duas empresas privadas (cerca de 90 homens), que tinham sido contratadas pelo Atlético-PR, ficaram responsáveis por monitorar as torcidas dentro do estádio.

A partida foi disputada em Joinville porque o Atlético-PR havia perdido um mando de jogo em Curitiba por conta de brigas entre seus próprios torcedores no clássico contra o Coritiba, em outubro.

No domingo, a briga das torcidas começou aos 17 minutos do primeiro tempo. Quatro torcedores foram levados ao hospital, dos quais só um permanece internado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>