10:07Na Caximba

O Ministério Público do Paraná informa:

Justiça determina paralisação de extração mineral em cerâmica

O Juízo da 2ª Vara Cível de Curitiba concedeu determinou a paralisação imediata da extração mineral por parte da Cerâmica Gai Ltda., localizada na região da Caximba, na Capital. A liminar foi deferida a partir de ação civil pública ajuizada pelo promotor de Justiça Sérgio Luiz Cordoni, da Promotoria de Justiça de Proteção ao Meio Ambiente de Curitiba, contra Cerâmica Gai Ltda e José Arlindo Gai. A ação teve como base denúncia da Associação de Defesa do Meio Ambiente de Araucária (AMAR). A Associação relatou à Promotoria que a empresa teria sido responsável por “grave devastação ambiental” em área localizada no bairro Campo de Santana, onde houve movimentação de grande volume de solo e supressão de mata nativa por corte, fogo e soterramento.

Conforme a denúncia, árvores da espécie Araucária angustifólia (ameaçada de extinção), estavam morrendo em razão da movimentação do solo e que a erosão e o assoreamento eram intensos nas áreas laterais do aterro, região onde a cerâmica promove a extração de argila, para fabricação de tijolos e telhas.

A Promotoria salienta que, muito embora a Secretaria Municipal do Meio Ambiente tenha informado, em novembro do ano passado, que as exigências feitas em Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado entre a empresa e a Secretaria Municipal do Meio Ambiente tenham sido atendidas, o Relatório de Vistoria apresentado pela Equipe Técnica do Centro de Apoio das Promotorias de Justiça do Meio Ambiente (CAOPMA) aponta em sentido contrário. De acordo com o referido relatório, “não foi constatada a implantação de qualquer medida de recuperação de área degrada”, durante a vistoria.

“(…) os documentos trazidos pelos réus não comprovam a alegação de que o Termo de Ajuste de Conduta foi devidamente cumprido, bem como não se observou a apresentação de Plano de Recuperação da suposta área degradada”, aponta o juiz Luciano Campos de Albuquerque, em trecho da decisão.

O juiz fixou multa de R$ 30 mil em caso de descumprimento.

2 ideias sobre “Na Caximba

  1. Ana

    E o manilhamento do córrego no Abranches? A Secretaria de Meio Ambiente de CWB, “sustentável” , apoia a ideia!

  2. Zangado

    Mas se o termo não foi cumprido e ocorreu dano ambiental houve incúria administrativa, portanto, onde está a responsabilização da administração ambiental?

    Enquanto não passarmos a responsabilizar os gestores ambientais tudo deságua na Justiça (se tanto) e os maus gestores ficam (mais uma vez) livres de responsabilidade, quando deveria ser exatamente o contrário – deveriam dar o exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>