18:57Oferenda

de Ticiana Vasconcelos Silva

Já que meu destino é mesmo um paradoxo estendido ao infinito e que o tempo está perdido no espaço dos olhos vagos, que o momento é único e vivo, passado e futuro não existem e que o caminho já é há muito tempo perdido e só o encontrou quem se perdeu, então estendo meu orgulho ao pé do ouvido pra ouvir a glória do adeus.
Prefiro ser muda a falar coisas vis, pois sou amante da verdade. Prefiro morrer tentando ver do que sofrer os sortilégios desta grande ilusão que se chama vida e que deve ser comida com todas as suas cascas mal despidas, seu fruto venenoso, até que se encontre a razão de seu viver.
Coloco em meu peito as noites mal dormidas tentando acender a chama do amor brando e sutil como a brisa do mar que não cansa de sussurrar seu louvor e levo minha história para o manjar dos deuses nessa oferenda de sabedoria.
Poesia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>