7:47Vida do crack

por Ruy Castro

Tarde desta quarta-feira. O ônibus do Botafogo segue pela avenida Brasil rumo ao estádio de Moça Bonita, em Bangu, onde, dali a pouco, o alvinegro carioca enfrentará o Audax, clube de São João de Meriti, recém-promovido à divisão principal do Campeonato do Rio. Entre os jogadores está o surinamês Seedorf, quatro vezes vencedor da Liga dos Campeões da Europa e tricampeão mundial de clubes.

Aos 36 anos, em grande forma, rico, independente e realizado, Seedorf podia escolher onde quisesse para jogar seu futebol. Escolheu o Brasil, o Rio e o Botafogo. Gosta de nós, é casado com uma carioca, fala perfeito português, e por que não vestir a camisa que, um dia, foi de Heleno, Garrincha, Didi, Nilton Santos, Amarildo, Zagallo, Gerson, Jairzinho e Paulo Cesar?

Bem, segue o ônibus pela avenida que não por acaso se chama Brasil. Na altura do bairro de Ramos, os jogadores do Botafogo e todos que passam de carro se defrontam com uma dura realidade brasileira: as centenas de dependentes de crack à beira da rodovia. Alguns, agarrados ao único bem material que possuem: um cobertor –além, claro, do indispensável cachimbo. Um deles veste uma camisa do Botafogo. Uma camisa 10. A de Seedorf.

Seedorf viu bem o miserável que o tem como herói. O pobre diabo pode ter visto o ônibus do Botafogo, mas não se sabe se viu Seedorf na janela. A cena foi relatada ontem pelo portal “Lance!Net”, infelizmente sem o nome do repórter.

O craque Seedorf tem escolhas e as exerce. Já o “Seedorf” do crack não sabe mais o que é escolher. Não sabe, aliás, nem quando, por quanto ou de onde virá o próximo cachimbo. O que lhe cair às mãos é para ser convertido em droga. Comer, dormir, viver, nada disso interessa. E não mora na cracolândia porque quer, mas porque não pode passar nem um minuto sem crack.

* Publicado na Folha de São Paulo

Uma ideia sobre “Vida do crack

  1. Zangado

    Prego no deserto: o crack, como diz o jornalista Boechat, é “arma química”.

    O traficante e/ou seu financiador não precisa de um 38 para tomar o dinheiro do infeliz cidadão/a, não.

    Descobriram essa droga de efeito viciante fulminante e em doses diabolicamente homeopáticas vão exaurindo dinheiro, depois outros bens, depois os bens da familia e o dinheiro público para tratamento (raramente eficiente) até a morte do infeliz viciado, levado a uma situação desumana inacreditável.

    E a sociedade e as ditas autoridades de controle público continuam inertes, não exigem, tal como fizeram com o motoristas alcoolícos, tolerância zero (embora o país siga coalhado de bares e biroscas por aí, inclusive nas estradas …)

    Mas não existe tolerância zero ao traficante e financiador do crack (já existe similares …).

    Todas as 5.650 municipalidades e zonas rurais do país estão tomadas pelo crack, lá onde mora o cidadão, no Município, está hoje também o crack.

    As fronteiras do Brasil com a America latina continuam abertas e as veias abertas de que fala Galeano estão sendo sugadas aqui dentro, porque o crack continua chegando em cada comunidade. Como ?

    É espantoso que ninguém se dê conta disso!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>