15:48A versão da UPE

Segue a  “Nota Oficial” publicada pela União Paranaense dos Estudantes  (UPE) a respeito da situação do prédio da sede da entidade:

Diante dos fatos, a União Paranaense dos Estudantes  (UPE) vem a público declarar seu esclarecimento dos fatos noticiados  (18/01/2013) na RPCTV 1º edição e em outros meios da comunicação do estado. Infelizmente após diversas tentativas de acordo com a Prefeitura Municipal de Curitiba mais uma vez os estudantes ficaram à deriva.

A União Paranaense dos Estudantes vem a público elucidar a presente situação do Casarão dos Estudantes.  É sabido pelo povo curitibano que a região historicamente tradicional do São Francisco vem, ao longo do tempo, sendo depredada. É comum o tráfico e o consumo de drogas na região. Moradores de rua permeiam cada esquina e a violência, o roubo e todo tipo de crime são comuns ali. Dizemos assim, com conhecimento de causa, bem como dirão todos os comerciantes, trabalhadores e moradores também. Salta aos olhos alguma deficiência na Segurança Pública, Programas de Saúde para Adictos e Assistência Social.

A UPE agora sofre na carne o reflexo do descaso das gestões municipais que se passaram nas rédeas do poder e nada fizeram de efetivo no bairro.

Há anos a UPE vem buscando mecanismos de solução definitiva para tais dificuldades, não encontrando, porém, retorno concreto esperado de uma digna administração pública. A Casa dos Estudantes de todo o Paraná foi invadida por vândalos e usuários de drogas, assim que suas atividades se encerraram, em meados de dezembro, tempo em que os estudantes e as instituições de ensino superior estão em recesso, das quais a entidade está intimamente ligada ao calendário de atividades.

Diversas tentativas de retirar os invasores foram tomadas por esta diretoria, inclusive a intervenção policial, entretanto houve a quebra de todos os cadeados, a remoção do portal principal da sede e a presente depredação dos muros e cômodos. Sem uma ação efetiva do poder público na região, não só o Palácio dos Estudantes, mas todos os moradores e comércio da região estarão prejudicados.

Vale lembrar que, apesar das inúmeras tentativas, a gestão da Prefeitura Municipal de Curitiba que cessou em 2012, não solucionou a situação de comodato da sede, tornando dificultosa a adequação e solução dos problemas da entidade. A maior parte das dificuldades financeiras e operacionais da entidade é oriunda desse entrave.

Apesar disso, um novo ano se inicia e com ele uma nova gestão na Prefeitura de Curitiba. Esperamos um diálogo fraterno e prático, para resolver os problemas da sede histórica dos estudantes paranaenses. Por isso, já buscamos a atual gestão e está marcada uma reunião para o dia 30 de Janeiro para que juntos, possamos trazer segurança e paz para o Casarão, os estudantes e os moradores do São Francisco, que também estão sujeitos aos perigos da região.

O Casarão da UPE, é patrimônio dos estudantes paranaenses e do povo curitibano, foi doado para a entidade no final da década de 40, tomado pela ditadura militar na década de 60 e devolvido em comodato para a entidade, pelo então governador José Richa.

A entidade tem programada para 2013, uma série de atividades culturais ligadas às universidades, comunidade acadêmica e as casas e escolas de samba de Curitiba.

Curitiba, 18 de janeiro de 2013.

UNIÃO PARANAENSE DOS ESTUDANTES

7 ideias sobre “A versão da UPE

  1. Emerson

    Na minha opinião, o Beto Richa deveria pegar de volta o imóvel, que foi cedido à Prefeitura de Curitiba e, então, em comodato à UPE, e destinar a algo que realmente dê utilização eficaz a tão importante monumento.

    A nota da UPE é tão desavergonhada que nem identifica quem assina. Apenas transferem a responsabilidade à municipalidade, dizendo que o problema aflige a toda a região. É fato que os drogados lá incomodam a todos, mas nem por isto as pessoas deixam que invadam suas casas ou seus estabelecimentos.

    Esta UPE quer que a Prefeitura fique bancando suas atividades? Que demonstre alguma utilidade aos estudantes e deles mesmos cobre mensalidades, como era nos passados tempos (inclusive quando o casarão foi retirado deles, décadas atrás, com os Restaurantes Universitários, etc).

    Este pessoal retrógrado do movimento estudantil só quer saber de mamar nas gordas tetas da camaradagem federal e fazer atos de apoio a corruptos condenados.

    ARRE!

  2. Zangado

    Passo com frequência em frente da ex-sede da UPE e, lamento dizer, que sempre me pareceu o prédio estar sem ou com precária utilização.

    Um bem público (que não deve ser cedido em comodato, instituto do direito privado …) concedido mediante cessão de uso, deve ser revertido ao poder concedente no caso de utilização incompatível ou para melhor utilização pública.

  3. prof.Silvestri

    A nota expõe o despreparo e o descaso da entidade com o patrimônio público. Deixa claro também o despreparo dos seus dirigentes para assumir uma responsabilidade. Ou eles querem ser inquilinos de luxo? Ocupando um prédio público com segurança, limpeza, manutenção, funcionários e outras despesas sendo pagas pelo Estado? O prédio onde a UPE se instalou, albergada pela falta de coragem dos nosso políticos em dizer não à meia dúzia de “estudantes profissionais” é que gera estes excessos como aconteceu com a UNE que torrou verba pública recentemente.

  4. Tag

    O poder publico não pode colocar patrimonio público nãs mãos de pessoas irresponsáveis, que alem de toda incopetência vem com este discuso socialista exaurido no século vinte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>