11:40Apoio argentino

Da coluna do jornalista Aroldo Murá, no ICNews:

SANGUE JOVEM NO PARLAMENTO ITALIANO

O Paraná poderá contribuir diretamente para a renovação do Parlamento italiano, injetando sangue novo na vetusta instituição, caso a exvereadora de Curitiba, Renata Bueno, seja bem sucedida na disputa por uma vaga como representante dos italianos no exterior. Um dos trunfos de Renata é o apoio do Senador (agora pleiteando a reeleição) Edoardo Pollastri, com quem faz uma espécie de “dobradinha”.

…POLLASTRI PODE CONSEGUIR VOTOS PARA RENATA NA ARGENTINA…

Pollastri poderá conseguir para Renata votos entre os italianos da Argentina, considerados essenciais para complementar os sufrágios dos ítalo-brasileiros, já que o sistema eleitoral italiano prevê uma quota de representantes, englobando os países da América do Sul (outras quotas para os italianos da América do Norte, Europa e outros continentes).

Renata tem a dupla cidadania em função de sua avó paterna, da

família Brustolin, vinda do Vêneto, Norte da Itália. Foi favorecida pela

circunstância de seu pai – o deputado Rubens Bueno – ter nascido após

a promulgação de lei, na Itália, facultando a transferência da cidadania

por linha materna.

Se Rubens tivesse nascido antes dessa lei entrar em vigência, Renata não

poderia estar, agora, disputando uma cadeira no Parlamento na Itália.

… SÃO 300 MIL BRASILEIROS QUE VOTARÃO…

São trezentos mil brasileiros habilitados, graças à “doppia citadinanza”

a votar nas eleições de fevereiro, com concentração majoritária nos Estados

de S.Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

A importância dos votos de argentinos, como complementação quase

indispensável, se explica pelo fato de o colégio eleitoral de lá equivaler

a quase o dobro do número de votantes no Brasil. Se uma campanha

eleitoral sempre é complicada, imagine-se a complexidade do trabalho

de apresentar propostas para um eleitorado disperso por mais de um

Estado e mais de um país.

…CURITIBANA EM

CAMPANHA DE 24 HORAS…

Com muita coragem, todavia, Renata vem mantendo contato com os

eleitores, através de material impresso e propaganda “boca a boca”, tentando usar a habilidade desenvolvida em suas campanhas para as eleições

municipais curitibanas. Dir-se-ia que coisas tão diferentes como a água e o

vinho, talvez,   Mas, com cultura e inteligência, talvez a candidata encontre

o ponto certo para sensibilizar os “duplos cidadãos”, conquistando votos

suficientes para alcançar a sua meta.

O calendário eleitoral italiano, por sua vez, não favorece quem faz sua

“primeira viagem”, experiência inaugural na busca de um cargo representativo “sui generis”. Mas obtido o registro da candidatura, passando a

figurar nas listas eleitorais, os candidatos dos italianos no exterior terão

poucas semanas para apresentar suas propostas e entrar em contato com

os eleitores. O tempo urge e, com o apoio de Pollastri, bastante experiente,

a curitibana está em campanha 24 horas por dia.

“MIA CARA CURITIBA” NASCEU COM ELA…

Como vereadora, foi ela quem promoveu o apoio da Câmara Municipal

para a realização, no ano retrasado, do espetáculo “Mia Cara Curitiba”,

luzes e cores na Praça Generoso Marques, que transformou o Paço da

Liberdade num cenário de sonhos. Fazendo pós-graduação em Direito

Internacional em Roma, Renata já está “com um pé na Itália” e o Brasil sé

terá a lucrar se for efetivamente eleita, pois está repleta de novas idéias,

capazes de “sacudir” a poeira da instituição parlamentar da península.

Nos próximos dias, Renata cumprirá um amplo roteiro de contatos

eleitorais: em Londrina, Maringá, Cascavel, Pato Branco, Toledo, Francisco

Beltrão. No dia 29 estará em São Paulo, numa grande evento de campanha,

ao lado do senador Pollastri em jantar com eleiores paulistanos.

…VOTAÇÃO SERÁ PELO CORREIO …

A votação cumprirá um ritual que pouco  tem a ver com eleições comuns:  cédulas serão enviadas pelos consulados italianos, pelos correios,

a partir do dia 6 de fevereiro, para os votantes, que deverão devolvê-las

preenchidas até dia 20 de fevereiro.

Sobre a segurança desse tipo de votação, as explicações do senador Edoardo Pollastri não são muito animadoras. Ele conta que não foi aprovada

sua proposta para que além da cédula, na devolução aos consulados, fosse

anexada fotocópia da identidade (passaporto) de cada eleitor. Sem essa

anexação, a eleição fica exposta a fraudes, como consta já  ter acontecido

em pleitos anteriores.

5 ideias sobre “Apoio argentino

  1. Boca do Inferno

    Nunca fez nada nem pela comunidade curitibana, que dirá à italiana… Além disso seria mais correta se buscasse apoio do candidato brasileiro ao senado, que também é de Curitiba. Está pensando só no próprio umbigo, bronzeado pelo sol do Caribe…

  2. Parreiras Rodrigues

    Torço pela Renata.

    Todo mundo metendo o pau na Câmara de Vereadores.

    Renata chama os seus ocupantes de gentalha.

    Ai todo mundo se volta contra ela.

    Dá entender?

    Eu entendo sem dar mesmo.

  3. indignado

    Que horror, na Câmara a única coisa que a filha do limpinho fez foi chegar a conclusão d,e que os seus pares de far niente não passavam de uma gentalha. E para isto precisou ser eleita vereadora. Eu não precicei e já sabia. Ela vai fazer o que mesmo lá na Cidade Eterna? Visitar o Coliseu e o que mais? As grandes galerias e lojas de grife estão em sua maioria em Milão. Mas isto ela já deve saber. Chega de empulhação, não enrole os da prórpia etnia. ACArlos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>