15:29Mais antigo é mais caro

Da Folha de Londrina:

Pedágios antigos são 75% mais caros

Tarifas das concessões da década de 1990 são de R$ 0,112 o quilômetro e as dos últimos anos, de R$ 0,064

O pedágio nas rodovias brasileiras concedidas à iniciativa privada entre 1998 e 2000 é 75% mais caro que o das concessões mais recentes, feitas a partir de 2008 pelos governos federal e estaduais. No primeiro caso, a tarifa média por quilômetro privatizado é de R$ 0,112 e, no segundo, de R$ 0,064. As concessões antigas totalizam 10 mil quilômetros e, as mais recentes, 5.637. O levantamento foi feito pela FOLHA tendo como base dados publicados no site da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) para veículos de dois eixos.

Só para se ter uma ideia, o motorista que percorre os 401 quilômetros da Rodovia Régis Bittencourt – da capital paulista até Curitiba – vai gastar menos de um quarto do valor desembolsado por aquele que fizer o percurso de 378 quilômetros da BR-376, entre Apucarana e Curitiba.

A primeira foi concedida pelo governo federal há quatro anos e conta com seis praças de pedágio, todas com valor de R$ 1,80 (R$ 10,80 no total). Já a segunda foi privatizada há 14 anos pelo governo do Paraná e têm cinco praças de pedágio, com valores que variam de R$ 6,40 a R$ 9,20 (R$ 41,10 no total). Por quilômetro, o valor da tarifa na Régis é de R$ 0,026 e, na 376, de R$ 0,108.

Outra comparação que ilustra bem a diferença de tarifa é entre a concessão da BR-277 no Paraná (que liga o Centro-sul do Estado à região Oeste), e a da BR-116, na Bahia. A primeira tem 459 quilômetros e cinco praças de pedágio, nas quais o motorista deixa R$ 45,70 no total. Ela foi concedida em 1998. A segunda, entregue à iniciativa privada há dois anos, tem 680 quilômetros e sete praças, cuja cobrança de pedágio totaliza R$ 19,10. O valor por quilômetro no exemplo da Bahia (R$ 0,042) é menos da metade do paranaense(R$ 0,099).

As concessões mais recentes mantêm taxas mais baixas em todas as comparações, independentemente de serem estaduais ou do governo federal. O programa estadual paulista, por exemplo, que responde por mais da metade dos trechos pedagiados no País, tem uma tarifa média por quilômetros de R$ 0,135 nos contratos antigos e de R$ 0,087 nos recentes. Ou seja,ficou 35% mais barato.

Cenário econômico era outro, diz ABCR

Em nota enviada à reportagem, a Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) disse que a diferença de preço por quilômetro rodado nas rodovias pedagiadas e administradas pela iniciativa privada está associada a diversos fatores. ”Entre eles está a conjuntura macroeconômica do momento em que os leilões de concessão de rodovias foram realizados”, diz a nota.

A entidade lembra que a primeira etapa do programa federal e as primeiras licitações realizadas no estado São Paulo ocorreram na década de 1990. Naquele momento, de acordo com a associação, os riscos do negócio para o investidor eram superiores aos existentes hoje. A ABRC argumenta que também não havia um ”arcabouço legal consolidado” para as concessões e nem a agência reguladora, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

”No campo econômico, o Brasil entrava no período de sua estabilização. Mesmo assim, as taxas de juros, o Risco País e outros indicadores mostravam o risco de investimentos no longo prazo, como é o de concessão de rodovias”, justifica a assessoria de imprensa.

A entidade ainda diz ser importante considerar os diferentes modelos existentes no País para concessão de rodovias: ”com pagamento de outorga e maior exigência de investimentos contra licitação sem pagamento de outorga, menor tarifa e, normalmente, menor exigência de investimentos nas rodovias”.

Por último, a ABCR afirma que deve ser levado em consideração o ”plano de negócio de cada uma das empresas e seus interesses estratégicos por uma ou outra concessão e aspectos específicos de cada rodovia, como, por exemplo, o tráfego de veículos”.

4 ideias sobre “Mais antigo é mais caro

  1. adir hannouche

    Caros Internautas,
    Reflitam e levem em consideração que o “modelo de concessões e as prerrogativas” de contrato são “completamente distintas”.
    Perguntem ao Eng. Enio Palazzi, da OHL_Regis Bittencourt…
    Abs,
    Adir Hannouche.

  2. Antonio

    Qual é o melhor, estrada um pouco abaixo do sofrível e pedágio barato ou estrada bem boa e pedágio caro? É só comparar Curitiba-Joinville com Curitiba- Paranaguá. Pode até ser que preço seja meio salgado, mas a condição da estrada é muito, mas muito, melhor mesmo.

  3. Gregório de Mattos

    Bom, então é só fazer novos pedágios tendo como modelo os contratos antigos. Aí as tarifas vão baixar. Afinal os pedágios do PR são muito baratos e foram, na sua maioria, implantados com o modelo antigo. E o Requião achava que tinha razão…O pedágio era barato e ele não sabia. Aliás, ninguém sabia. Todo mundo chorava de barriga cheia. Entenderam?

  4. marcelim

    Antonio? Vc realmente andou na estrada pra Joinville? Dizer que ela é sofrível é uma piada, ela está boa, não é perfeita

    Mas nada justifica pagar 15 reais pra andar 90 quilômetros até Paranagua, os pedágios estaduais são um roubo, Beto Richa tá fazendo todo esse jogo de luzes, mas não vai mudar nada, pq ele é e foi financiado pelas concessionáris

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>