9:51O gênio e o homem

O gênio Garrincha é eterno. O homem Manoel Francisco dos Santos morreu pouco antes de completar 50 anos, vítima de alcoolismo. Na última entrevista que deu, recentemente resgatada e publicada pela revista ESPN (ler abaixo), disse que não era viciado. O homem não conseguiu enxergar seu grande adversário. Não pode driblá-lo para controlá-lo na distância que separa a sobriedade do primeiro gole e do consequente inferno. Derrubado, não acreditou que isso poderia acontecer – e ficou ali, na luta insana contra um inimigo poderoso, traiçoeiro, que está fora, mas principalmente dentro. E Manoel perdeu o jogo e a vida. Ficou a saudade do gênio, que poderia estar entre nós sendo reverenciado por toda a alegria que nos deu.

A entrevista perdida de Garrincha: Pelé ‘safado’, basta à bebida e o relacionamento com os filhos

Um dos maiores gênios do futebol mundial, Mané Garrincha – ou Manuel Francisco dos Santos – morreu no dia 20 de janeiro de 1983. Dezoito meses antes, em julho de 1981, oito meses antes de iniciar a série das oito internações que marcaram seus últimos dias, concedeu entrevista, posou para fotos e protagonizou as histórias que você lê em oito páginas da Revista ESPN de novembro, que chega às bancas nesta terça-feira.
Inédita no Brasil, a entrevista feita pelo jornalista argentino Carlos E. Bikic há mais de 31 anos chegou a ter parte de seu conteúdo publicada no Japão. E só. Todo o restante do material é exclusivo e chega para deleite do fã de esporte exatamente oito dias depois da data (28 de outubro) que marcaria, se estivesse vivo, o aniversário de 79 anos do ex-ponta-direita.
ESPN.com.br adianta abaixo parte da entrevista concedida por Garrincha, em trechos nos quais o bicampeão do mundo fala sobre bebida, Pelé e famiília. Neles, explica os motivos de ter parado de consumir bebida alcoólica, chama Pelé de “safado” e fala das cinco esposas que teve e dos filhos homens que via com talento para o futebol.
Sobre Bebida
“Há um tempo eu tinha uma dor fortíssima na barriga. Para melhorar um pouco, eu deitava no cimento frio de barriga pra baixo. Aí o médico falou que eu não poderia beber nunca mais. Agora eu só bebo guaraná, e se eu vejo alguém bebendo cachaça logo falo que esse cara está bebendo veneno! A vida é tão boa, tenho muita coisa pra viver ainda. Tenho muita coisa para dar. Quero andar por esse mundo como treinador. Agora eu estou treinando só criança pobre, e o governo dá para mim um salário bom. Eu estou bem, quem paga a minha casa é a CBF.”
Como você se sente hoje?
“Olha, Carlos, foi bom ter deixado de beber, para viver mais e melhor. Quando eu era garoto e jogava, eu bebia bastante. Mas com o tempo a gente vai ficando velho e o nosso organismo, nosso físico, vai diminuindo. Hoje em dia duas cachaças no botequim não vão me deixar bêba-do, mas vão me fazer mal, porque o meu fígado já não aguenta mais! Então, como eu pretendo fazer mais algumas coisas na vida, deixei de beber. E te confesso que não sinto falta, porque não sou viciado.”
Não aparecem amigos pra te convidar a beber um chopinho ou uma pinga?

“A verdade é que eu não tenho nada pra fazer, a não ser o trabalho com as crianças. Então, claro que aparecem aquelas pessoas que te convidam para beber. Se eu fosse ao botequim… por isso eu não vou! Só saio pra comprar o leite das crianças e o cigarro. Mesmo assim, sempre aparece alguém me convidando com uma cerveja, mas eu falo na hora ‘não, muito obrigado, mas eu não bebo, não posso beber, está proibido pelo médico.’”

Agora só guaraná?

“E café. Café eu tomo bastante e, de verdade, não me faz mal.”

Sobre Pelé

O Pelé foi mesmo o melhor jogador do mundo?

“Ele foi um jogador bom. Ele tinha sorte, fazia gol e tinha sorte, mas também tinha gente boa do lado dele para dar a bola.”

O que é que você mais gostava do Pelé quando ele jogava?

“Ele era um jogador com muita sorte. A bola chegava pra ele, e ele também ajudava com essa sorte.”

Você tem algum contato com ele hoje? Ele te visita?

“Que nada! Ele é um safado, virou estrela agora [Garrincha se referia à exposição que Pelé tinha naquela época por causa do relacionamento com Xuxa]!”

Sobre família
“Esta é a minha esposa Vanderléa [que entrava no local da entrevista trazendo café]. Na verdade, eu só estive casado legalmente com a dona Nair, mas ela faleceu. Eu tive oito filhas com ela. Com a Elza Soares, com quem fiquei 16 anos, tivemos um filho, o Garrinchinha. E também tenho outro menino na Suécia [Ulf Lindberg].”
No total, Garrincha teve 14 filhos reconhecidos – um deles, Rosângela, apenas depois de sua morte. A mãe biológica de Ulf não é conhecida. Os outros 13 nasceram de cinco mães diferentes:

Nair Marques – Tereza, Edenir, Marinete, Juraciara, Denízia, Maria Cecília, Terezinha e Cíntia
Iraci – Neném e Márcia
Elza Soares – Garrinchinha
Vanderléa – Lívia
Alcina Alves Cunha – Rosângela [fez exame de DNA e teve a paternidade de Garrincha
reconhecida apenas em 1999]

Como foi realmente essa história [sobre o filho Ulf, nascido na Suécia]?

“Estava todo mundo bebendo, alegre, lá no hotel na Suécia, e eu me envolvi com uma mulher. Isso foi mesmo em 1958. Quando voltei, em 1959, apareceu um policial lá no hotel. Eu tive que tirar sangue, tiraram sangue do menino e assim ficou provado que era o meu filho. Sabe, ele joga futebol e é ponta-direita!”

Você tem contato com ele?

“Sim, tenho até foto dele! Ele não é branquinho, puxou a cor brasileira.”

E com a mãe dele, você tem algum contato?

“Não, foi uma noite só. Agora, com meu filho sim, ele sempre manda carta. O governo de lá dá apoio e só depois dos 21 anos ele poderá vir aqui [Ulf chegou a visitar o Brasil, mas apenas depois da morte do pai].”

Que idade tem o seu outro filho, que também joga futebol?

“O Neném tem 18 anos. Ele sabe jogar futebol. Não é porque sou o pai, mas ele sabe jogar, é bom jogador. Um garoto ainda, mas é bom mesmo.”

Como jogador de futebol, você gostaria que ele continuasse na sua carreira?

“Gostaria, mas se ele não conseguir, não ligo. Toda pessoa nasce com o destino certo. Esse meu filho [Neném] nasceu para jogar futebol. O pequeno, Garrinchinha, que tem cinco anos, eu não sei, mas ele gosta de bola. Então, vamos ver. De repente vai estudar, ser médico ou qualquer outra coisa e não vai ser jogador de futebol.”

Dos três, apenas o filho sueco vive. Garrinchinha morreu em 1986, aos nove anos, em um acidente de carro na estrada Rio-Magé, após ter ido disputar uma pelada em Pau Grande, terra natal de Garrincha.


José Geraldo Filipe, o Neném, jogou no Belenenses, de Portugal, e na Suíça; morreu em 1992, aos 28 anos, também num acidente automobilístico, em Portugal, onde passava férias.

Ulf chegou a tentar a carreira de jogador, mas uma doença óssea lhe impediu de continuar. Hoje, seu filho Martin, neto de Garrincha e que está com 22 anos joga em divisões inferiores do futebol sueco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>