6:48Inéditos

por Ruy Castro

Deu na imprensa: Dalton Trevisan acaba de ganhar um prêmio literário com um livro de contos inéditos. Até aí, nada de mais: Dalton deveria ganhar prêmios literários todo ano. Mas atenção para o detalhe, que os repórteres não deixaram de observar: os contos eram inéditos. Dá-se muita importância hoje a tudo que é inédito.

Isso demonstra a grande coerência de Dalton. Quando ele estreou na literatura, em 1959, com “Novelas Nada Exemplares”, já era um livro de contos inéditos. Depois veio “Cemitério de Elefantes” (1964), idem, de inéditos. Em seguida, “Morte na Praça” (1964) e a obra-prima “O Vampiro de Curitiba” (1965), ambos também de inéditos. E assim continuou, até hoje. Desde cedo Dalton encontrou sua forma ideal de expressão: escrever contos inéditos.

É claro que não foi o primeiro a fazer isso. Antes dele, Shakespeare já escrevera uma peça inédita, “Hamlet” (c. 1600); Edgar Allan Poe, o poema inédito “O Corvo” (1845); e James Joyce, o romance inédito “Ulisses” (1922). Sem falar em Machado de Assis, Lima Barreto, Marques Rebelo. Parece que escrever inéditos é uma mania dos escritores. Os poucos que fugiram a essa regra –ou seja, escreveram coisas não inéditas– arriscaram-se a processos dos autores originais.

Modestamente, eu próprio tive de me submeter. Todos os livros que publiquei, entre os quais “Chega de Saudade” (1990), “O Anjo Pornográfico” (1992) ou “Carmen – Uma Biografia” (2005), eram inéditos. É verdade que, logo que foram publicados, deixaram de ser inéditos. Tornaram-se éditos. Mas nem assim os colegas ficaram satisfeitos. Sempre me perguntam se estou preparando algum novo livro inédito.

Para mim, o único escritor autêntico de livros inéditos é o de província, que tem uma gaveta cheia de livros de contos ou de poemas que, tadinho, ele não consegue publicar.

*Publicado na Folha de São Paulo

3 ideias sobre “Inéditos

  1. Ivan Schmidt

    Gente! Acabo de descobrir algo sensacional. Da mesma forma que o Dalton Trevisan só escreveu e publicou contos inéditos, o comentário do Ruy Castro (tenho certeza) também era inédito até ser publicado pela FSP. Na verdade, acho que o Ruy fez uma crítica mordaz a esse lance de ineditismo…
    Infelizmente não gravei o nome do escritor que respondeu a um amigo, se andava escrevendo algo. “Sim — respondeu — estou escrevendo uma barbaridade, mas a prioridade é a gaveta”. Pano lento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>