17:50HORÓSCOPO

por Zé da Silva

Virgem

Tinha o abacateiro centenário e a casa de barro ao lado. Um terreiro de chão batido, uma estradinha na frente e o som dos carros de boi suspensos no ar. Grãos de milhos voavam. Pintainhos eram protegidos por enormes asas. Alguém na casa de farinha cantava, suava e o fogo queimava a madeira enquanto a prensa rangia ao espremer a mandioca. Uma luz brilhava na faca da mulher que descascava a raiz. Aquela cor marrom da casca que, em  lascas, caía no vestido puído, mas de flores discretas, combinava com a cor dos olhos, atentos. Alguém aboiou ao longe. Um galo de campina olhou. Seu topete vermelho fez lembrar a cabeleira da música. Alguém tomou água na caneca de alumínio amassada. A moringa descansa sobre o rendado. Retratos pintados dos antepassados tomam conta de tudo de dentro das molduras ovaladas. Uma jaca caiu do galho. A crina do cavalo espantou a mosca. Ao longe, na paisagem, algumas casas antigas da cidade sobem o pé do morro. Entre a casa e a cidade um cemitério todo pintado de branco. Ali descansam eles. Os que nasceram, foram, voltaram e ficaram para sempre. Na terra. Na origem. Para espalhar o que é indizível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>