15:03PARA NUNCA ESQUECER

Lanny Gordin

por Felipe Missali do site Cultura Brasil

Dois transistores, quatro resistores e três capacitores foram necessários para colorir a guitarra dos anos 1960 e 1970.

O pedal de fuzz, como a própria fonética sugere, é usado para distorcer o sinal da guitarra antes de chegar ao amplificador, criando um som parecido com um zumbido de abelha.

Lanny Gordin foi responsável por incendiar o “cacho de abelha” na tropicália. Nascido em 1951 em Xangai, na China, filho de um pianista russo com uma polonesa, Alexander Gordin era fã de Hendrix, Cream e Beatles, nomes que souberam usar tão bem esse efeito. Mas Lanny não fez feio: timbrou os arranjos deixando o grupo que acompanhou Gal em A todo vapor tão alto quanto o Big Brother & The Holding Co., de Janis Joplin .

“Mal secreto”, faixa do álbum A todo vapor inicia com uma alusão a Jeff Beck e a seu grande riff presente em “Rice pudding”, do disco Beck-Ola, de 1969.

O maestro Rogério Duprat fez de Lanny o escolhido para suas gravações de arranjos e experimentações de estúdio. Nesta época, o guitarrista era disputado por astros da MPB, como Elis, Tim, Erasmo e Gal.

Além do rock, o jazz também interessa a Lanny. O grupo Brazilian Octopus, do qual Gordin fez parte, flerta com essa linguagem “brazilian jazz” que surgia no Brasil. Integravam o Octopus Hermeto Pascoal e Olmir Stocker que, anos depois, se tornou o guitarrista do Grupo Medusa. Também Hermeto quanto Stocker circulavam pela boate do pai de Lanny, a lendária Stardust, localizada na praça Roosevelt, centro de São Paulo.

Esse gosto pelo jazz foi herdado da discoteca do pai. , Lanny possuía discos dos guitarristas Wes Montgomery e Barney Kessel, além de ser ouvinte de Miles Davis, com a vantagem de receber notícias quentes via Hermeto Pascoal que, nessa época, construía identidade musical e espiritual com o jazzista americano.

Lanny ainda vai para um caminho cheio de groove ao acompanhar Jards Macalé em seu disco de estreia, de 1972. Ali divide o violão com Macalé e se mostra um surpreendente baixista, dando suingue ao trio que conta com Tuti Moreno na bateria.

Após quase 30 anos de ostracismo, e uma rápida passagem pela Aguilar e Banda Performática, nos anos 1980, Lanny finalmente despertou de um período turbulento de medicações, sanatórios e tratamentos pesados contra a esquizofrenia. Inicia algumas parcerias e realiza novas gravações. Destaque para o disco Lanny duos (2007) , que traz  um convidado por faixa. Com uma biografia digna de qualquer rockstar, Lanny avisa:  “Ainda pretendo gravar pelo menos uns dez ou quinze CDs”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>