16:29No passado, com violência

Do site da revista Veja:

Ex-chefe de Elize Matsunaga no Paraná diz que ela era agressiva

O ex-deputado Mário Sérgio Bradock contratou Elize, em 2004, para ser secretária de seu gabinete na Assembleia Legislativa. À época, ela disse que os dois tiveram um romance e o acusou de agressão. Ele nega

Em julho de 2004, três meses depois de ter sido contratada pelo então deputado estadual Mário Sérgio Bradock (PMDB) para ser secretária de seu gabinete na Assembleia Legislativa do Paraná, Elize Araújo foi demitida. Seria uma demissão como outra qualquer se não tivesse ido parar nas páginas do jornal Folha de Londrina do dia 25 de julho de 2004. Ela acusava o então deputado de agressão. Ele negava e dizia que ela agia “por vingança, por ter sido demitida”. Em sua versão, Elize espalhava aos quatro ventos que os dois estavam tendo um caso há dois meses e que, por ciúme, numa sexta-feira à tarde, Bradock a agrediu com um tapa no rosto.

O relacionamento extraoficial, dizia ela, ia bem até o dia em que o então deputado descobriu que ela havia passado uma noite fora de sua casa. Discutiram no gabinete de Bradock na frente de um assessor do deputado. Ele exigia que ela lhe devolvesse o carro, com os documentos que estavam no nome dela. Era um presente dele. Elize resistiu e ele partiu para a agressão, contou ela. “Consegui fugir e chamei a PM para me ajudar a sair dali porque sozinha ele ia me encontrar e não ia me deixar sair”, declarou ela à Folha de Londrina. À época, a Polícia Militar do Paraná não confirmou o atendimento.

Bradock negou que os dois tenham tido um caso, negou que havia dado um carro de presente a Elize e negou tê-la agredido. ”Como é que eu ia ter um caso se sou casado? E você acha que eu tenho cara de papai noel para dar carro assim?”, disse ao jornal.

Na versão do então deputado, Elize fazia as acusações porque sua equipe na Assembleia havia descoberto que ela era garota de programa e que “furtou documentos da sala do chefe de gabinete”. Ele, no entanto, confirmou a discussão.

3 ideias sobre “No passado, com violência

  1. Basicão

    Aí a confirmação de que ALE do PR é uma p*§@#!@ só!!!! Assessoria de programas (que não são de governo).
    O paulista de ascendência nipônica gostava mesmo de um rolo fácil, nééééé?????

  2. antonio carlos

    O ex-deputado disse que não mantinha um caso com a escort porque era casado. O cara não conhece aquele ditado que diz que cavalo amarrado também pasta? Agora sabe porque nunca mais se reelegeu, ele tinha certeza de que todos nós eramos idiotas. ACarlos

  3. gabriela

    Se todas as putas e putos que são pagos com o nosso dinheiro, resolvessem fazer picadinho dos seus comedores, não sobraria um político vivo e daria pra abastecer de esfirra e matar a fome na Africa. Esse japa pelo menos pagava a putarada com grana da família dele, do avó e do pai que trabalharam e fizeram o nome da industria…menos mal, pelo menos não saiu do nosso bolso. Agora o japa deve estar comendo umas diabinhas ‘bem quentes’ e a idiota da caiputinha (caipira com prostigaliranha) voltando para o submundo que ela escolheu pra viver. TROUXAS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>