20:08Erro

de Ticiana Vasconcelos Silva

Eu caminho pelo solo que me deu vida
E nele fui agraciada pelo amor divino
Nele me fiei e conheci o infinito
Mas também foi por este caminho que segui um atalho
Em um prelúdio
De uma serenata inebriante e nostálgica
Um passado de luzes e de glória
Que no hoje não mais se contém
Mas se detém
Uma brecha para o destino
Que espreitava na espera de um murmúrio de dor

Volto para o mundo de exatidão e correntezas
E nelas encontro de volta a minha tristeza
Mas faço desta queda a minha destreza
A mesma que me fez luz em uma noite vazia

Eu caminho, mesmo sendo alvo de desconfiança
E que amigos não sejam mais a minha segurança
Pois dobrei o cabo da boa esperança
E fiz das formas e grades o tecido da minha mudança
Para onde vou?
A poesia irá me dizer
Pois nos passos confusos de um ser altivo
Encontrei abrigo e o caminho do amor

Quando estiver lá novamente
Escreverei para lhes falar deste fulgor
Que só vejo quando estou sóbria e translúcida
Como a flor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>