10:36A ascensão de Gleisi

Do jornalista André Gonçalves, na coluna “Conexão Brasília”, do jornal Gazeta do Povo:

Há algo de diferente no Palácio do Planalto em 2012. Após um primeiro ano de governo bem avaliado, mas muito turbulento politicamente, Dilma Rousseff parece obcecada em driblar novos escândalos e impor uma marca de gestão técnica. Percebeu que não vai atingir o objetivo sozinha e, por isso, delegou de vez a Gleisi Hoffmann o papel de seu braço-direito.

Não que Dilma não confiasse na paranaense quando a nomeou para o lugar de Antonio Palocci na Casa Civil, em junho. O problema é que Gleisi, recém-eleita senadora, não tinha o traquejo necessário para coordenar um universo de 38 ministérios. Os primeiros cinco me­­ses no cargo foram como um cur­­sinho para ser a Dilma da Dilma.
 
Enquanto isso, outros cinco colegas caíam em efeito dominó na Esplanada. Um caso, o único que não envolveu suspeitas de corrupção, esbarrou direto nela. Em agosto, o então ministro da Defesa, Nelson Jobim, caiu após declarar que Gleisi “nem conhecia Brasília” e que a ministra das Relações Ins­­ti­­tucionais, Ideli Salvatti, era “fraquinha”. Não foi a única pancada. No Con­­­gresso, parlamentares da base aliada faziam a piada de que Gleisi não tocava os pés no chão quando sentava na cadeira de ministra. “É que ela é muito pequena para o tamanho da responsabilidade”, diziam.
 
Loira, bonita e com o sotaque estranho (sim, o acento curitibano dói nos ouvidos do restante do país), ela era o alvo perfeito. Sem contar que, ao mirar em Gleisi, o tiro poderia acertar também no marido, o ministro das Comu­­nicações, Paulo Bernardo. Algu­­mas balas passaram de raspão, co­­mo a denúncia de que eles teriam utilizado o avião de uma empreiteira que tem negócios com o go­­verno durante a pré-campanha dela para o Senado, em 2010.
 
Após o período em “treinamento”, Gleisi recebeu a primeira missão de alto risco em novembro. Caberia a ela evitar o caos aéreo nos aeroportos durante as festas de fim de ano. A ministra montou um QG dentro do próprio gabinete, com aces­­so a imagens dos principais aeroportos do país, ajudou a evitar a greve dos aeroviários e passou no teste.
 
Logo depois vieram as chuvas em Minas Gerais e no Rio de Janeiro. Gleisi estava de férias, assim como Dilma, e se ofereceu para voltar a Brasília sozinha para gerenciar o caso. Partiu dela a convocação do enrolado ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho.
 
Por último, houve a série de encontros que desembocou na reunião ministerial da última segunda-feira, quando ela apresentou o novo sistema de monitoramento do governo. Daí saiu uma das diretrizes de Dilma aos subordinados para 2012: “Gleisi fala por mim”. Todos entenderam que, a partir daquele momento, a marcação seria dobrada.
 
Um dia depois, a paranaense assinou a demissão do chefe de gabinete do Ministério das Ci­­da­­des, Cássio Peixoto, citado em re­­portagem da Folha de S. Paulo como participante de uma negociação com um empresário e um lobista interessados em um projeto milionário da pasta. Agora, está no olho do furacão da guerra com o PMDB em torno do órgão federal de combate à seca.

Além de gestora, Gleisi vai ter de ser pau para toda obra. Por outro lado, vai receber paulada como se fosse a própria presidente. Ao entrar na faxina, não vai ter como escapar da sujeira.
 

* * * * *
 
Nos corredores
 
Lavou, tá novo
 
Candidato do PPS a prefeito de Curitiba em 2004, o hoje deputado federal Rubens Bueno diz que boa parte do seu plano de governo apresentado à época pode ser reaproveitada pela filha, a vereadora Renata Bueno, pré-candidata do partido em 2012. Segundo ele, continuam atuais as propostas de racionalização de gastos da prefeitura e de redução do número de funcionários comissionados.

Decisivo
 
Em 2004, Bueno fez 188.313 votos no primeiro turno (20% dos válidos) e acabou em terceiro lugar, atrás de Beto Richa (PSDB), que atingiu 35%, e de Angelo Vanhoni (PT), com 31%. A participação dele foi decisiva para levar a disputa para o segundo turno. Foi a primeira e única vez que ele disputou uma eleição municipal na capital, após ter sido prefeito de Campo Mourão nos anos 1990.

Sem volta
 
Bueno garante que a candidatura de Renata já está decidida pela cúpula nacional do partido e que ela não vai voltar atrás. A estratégia inclui outras candidaturas femininas, como a de Soninha Francine, em São Paulo.

2 ideias sobre “A ascensão de Gleisi

  1. Conde Edmundo Dantas

    Tem tudo para ser a candidata a presidente apoiada por Dilma daqui a 07 anos. Já, o marido, Paulo Bernardo, será candidato a Governador daqui a três anos. Beto Richa que ponha as “barbas de molho”, pois o peso do governo federal se fará sentir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>