15:21Eleição e religião

Recebemos de Roseli Isidoro, presidente do PT de Curitiba, a seguinte mensagem que transcreve a “Nota da Comissão Brasileira Justiça e Paz”:

O MOMENTO POLÍTICO E A RELIGIÃO

“Amor e Verdade se encontrarão. Justiça e Paz se abraçarão” (Salmo 85)

A Comissão Brasileira Justiça e Paz (CBJP) está preocupada com o momento político na sua relação com a religião. Muitos grupos, em nome da fé cristã, têm criado dificuldades para o voto livre e consciente. Desconsideram a manifestação da presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil de 16 de setembro, “Na proximidade das eleições”, quando reiterou a posição da 48ª Assembléia Geral da entidade, realizada neste ano em Brasília. Esses grupos continuaram, inclusive, usando o nome da CNBB, induzindo erroneamente os fiéis a acreditarem que ela tivesse imposto veto a candidatos nestas eleições.

Continua sendo instrumentalizada eleitoralmente a nota da presidência do Regional Sul 1 da CNBB, fato que consideramos lamentável, porque tem levado muitos católicos a se afastarem de nossas comunidades e paróquias.

Constrangem nossa conciência cidadã, como cristãos, atos, gestos e discursos que ferem a maturidade da democracia, desrespeitam o direito de livre decisão, confundindo os cristãos e comprometendo a comunhão eclesial.

Os eleitores têm o direito de optar pela candidatura à Presidência da República que sua consciência lhe indicar, como livre escolha, tendo como referencial valores éticos e os princípios da Doutrina Social da Igreja, como promoção e defesa da dignidade da pessoa humana, com a inclusão social de todos os cidadãos e cidadãs, principalmente dos empobrecidos.

Nesse sentido, a CBJP, em parceria com outras entidades, realizou debate, transmitido por emissoras de inspiração cristã, entre as candidaturas à Presidência da Republica no intento de refletir os desafios postos ao Brasil na perspectiva de favorecer o voto consciente e livre. Igualmente, co-patrocinou um subsídio para formação da cidadania, sob o título: “Eleições 2010: chão e horizonte”.

A Comissão Brasileira Justiça e Paz, nesse tempo de inquietudes, reafirma os valores e princípios que norteiam seus passos e a herança de pessoas como Dom Helder Câmara, Dom Luciano Mendes, Margarida Alves, Madre Cristina, Tristão de Athayde, Ir. Dorothy, entre tantos outros. Estes, motivados pela fé, defenderam a liberdade, quando vigorava o arbítrio; a defesa e o anúncio da liberdade de expressão, em tempos de censura; a anistia, ampla, geral e irrestrita, quando havia exílios; a defesa da dignidade da pessoa humana, quando se trucidavam e aviltavam pessoas.

Compartilhamos a alegria da luz, em meio a sombras, com os frutos da Lei da Ficha Limpa como aprimoraramento da democracia. Esta Lei de Iniciativa Popular uniu a sociedade e sintonizou toda a igreja com os reclamos de uma política a serviço do bem comum e o zelo pela justiça e paz.

Brasília, 06 de Outubro de 2010

Comissão Brasileira Justiça e Paz, Organismo da CNBB

7 ideias sobre “Eleição e religião

  1. francisco

    Reinaldo Azevedo, em seu blog, já desmascarou esse cara que emitiu a nota falando em nome da CNBB. CNBB não é a Igreja Católica e quem emitiu a nota já foi candidato a deputado federal pelo Distrito Federal ( ou Goiás ), justamente pelo PT.
    O sujeito, como todo petista oportunista, se apropriou do nome da CNBB na esperança de garantir uma ” boquinha ” que não terá no governo federal, porque a apedeuta do Lula não será eleita.

  2. Omero

    Mansos quando convém, arrojados, sempre que lhes interessa. A petezada está insatisfeita com parte da igreja católica, aqueles que, notadamente, não apoiam Dilma à Presidência, por divergirem sobre o tema aborto, o qual a candidata petista tem uma opinião clara e favorável – fora do período eleitoral -, e contra, às vésperas da eleição.
    Entre o Céu e a Terra o que existe mesmo, entre os políticos da hora petista, é muita desfaçatez…

  3. antonio carlos

    Deixem de hipocrisia, a neutralidade da Igreja só servirá para apoiar a candidata petista, que já declarou duvidar da existência de Deus e ser a favor do aborto. A doutrina da Igreja diz que o nascituro é um ser humano , dono de uama alma. E que eu saiba ainda não disse o contrário . Chega de demagogia, ficar em cima do muro só vai trazer mais lenha para a fogueira. Ridícular é aquela foto da Dilma ajoelhada na igeja, digna de choro. Ou ela se converteu de domingo para segunda-feira, ou não passa de puro marketing. ACarlos

  4. silas

    Querem camuflar o que a Dilma disse sobre o aborto e outra coisitas mais. O pepino é que a pessoas preisa ser cristã ou ter Deu consigo não adianta querer a essa altura justificar uma coisa que falou e mal ainda. É a mesma coisa que aconteceu na Casa Civil. A Erenice foi nomeada pela mão da Dilma, era lugar tenente dela, não adianta tentar esconder, o fato que ela e os filhos estavam sim usando os cargos, a influência para ter favorecimento debaixo das barbas do poder, ou não viram ou fecharam os olhos. É a mesma coisa com relação ao aborto. Agora não é bem isaso, ora pare com a falsidade e oportunismo

  5. Parreiras Rodrigues

    Atéia, corrupta, incomPeTente, arrogante, fantoche, adepta da violência, do marginalismo, candidatura fruto da inconsequencia dum petista cínico. (cínico é como Osmar o chemou em discurso no Senado).

  6. Franco

    O PT mente.
    Dizer que os líderes cristãos atentam contra o processo democrático ao mostrar que o PT defende bandeiras anti-cristãs é de uma insensatez gigantesca, típica da esquerda materialista/eleitoreira.
    O que se expos não foram obras de ficção, foram documentos e pronunciamentos oficiais do partido da estrelinha vermelha.

    Agora que sentiram o impacto, eles mudam o discurso.

    Que prestem atenção aos escândalos dentro de seu governo e deixem os cristãos votarem contra os que defendem causas anti-cristãs.

    Aqui não !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>