10:36CNJ determina estatização de cartórios judiciais do Paraná

O Conselho Nacional de Justiça informa:

Serventias judiciais privadas de GO e PR terão que ser estatizadas

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou, nesta terça-feira (14/09), que serventias judiciais privatizadas do Paraná e de Goiás, cujos titulares assumiram após a promulgação da Constituição de 1988, sejam estatizadas. No Paraná, a estimativa é de que a determinação do Conselho, no Procedimento de Controle Administrativo (PCA 20091000002363) de relatoria do conselheiro Milton Nobre, resulte na estatização de mais de 160 varas do Estado. Em Goiás, por sua vez, a decisão tomada no processo de relatoria do ministro Ives Gandra (PCA 200910000019687) afeta cinco varas privatizadas no Estado. 

Por unanimidade, o plenário acatou o voto do conselheiro Milton Nobre, no PCA 20091000002363, que concedeu ao Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) 60 dias para apresentar ao CNJ um planejamento para estatizar as serventias judiciais privadas, que estão em situação irregular. O Tribunal deverá levantar as varas privatizadas cujas titularidades tenham sido concedidas após 5 de outubro de 1988, com o cronograma de estatização e demonstrativos financeiros.  Elaborado o planejamento, o TJPR terá 12 meses para estatizar as varas e realizar concurso para o provimento dos cargos.

Goiás – No PCA 200910000019687, instaurado de ofício pelo CNJ para apurar a regularidade de varas privatizadas de Goiás, prevaleceu o voto do relator, ministro Ives Gandra. Com a decisão, o Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) terá seis meses para estatizar cinco serventias judiciais, cujos titulares foram nomeados após a Constituição de 1988. São elas: a Escrivania de Família, Sucessões e 2º do Cível da Comarca de Mineiros,   Escrivania de Famílias e Sucessões, da Infância e da Juventude e 1º do Cível da Comarca de Planaltina,  1ª Vara da Fazenda Pública Estadual, 3ª Vara de Família e Sucessões e Cível e 10ª Vara Cível, da Comarca de Goiânia. Outras 25 varas privadas do Estado, cujas titularidades foram providas antes de 1988, deverão ser estatizadas após sua vacância.

3 ideias sobre “CNJ determina estatização de cartórios judiciais do Paraná

  1. Tô de Olho....

    Zé Beto….mais cinco eleitores do Serra, para ficarem enchendo as nossas caixas de e-mail com as bobagens contra a Dilma. O CNJ que foi regulamentado no Governo Lula, pois esse conselho com criado na CF 88, esta afantando todos os irregulares do cartórios e serventias, então pau na Dilma>

  2. Neto Abreu

    E dizer que tudo isso começou com uma atitude do Promotor de Justiça Paulo Conforto !! Em Fazenda Rio Grande, ele impugnou um concurso para o cartório cível. O TJ local não levou a sério a impugnação e o Promotor encaminhou o caso para o CNJ, que resolveu acabar com a pouca vergonha. Mirou um passarinho e acertou uma ninhada !!! Parabéns ao doutor Paulo !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>