11:03Nossa casa habitada

A vida, nossa casa habitada.
Os gestos são  mobiliários,
pequenos objetos que vamos colocando
num cômodo e noutro,
enfeitando a sala, predispondo em fileiras
na cozinha, guardando no armário do banheiro.
Os ganhos de cada dia são como as flores
que nascem como por encanto,
sem terem sido plantadas,
ervas daninhas, abelhas no pé de limão,
formigas em torrão de açúcar,
distraídas horas do entardecer.
Nossa casa habitada, a vida.
Os tropeços que a gente dá,
rachaduras na parede,
curto-circuito, canos entupidos,
goteiras da torneira.
E tudo se recupera:
janela emperrada,
Reboco mal-feito,
portão que não abre, relógio parado.
Sem querer a gente vai que vai
atulhando de lembranças
os porões nem sempre visitados.
E quando se visita,
ah, meu Deus do céu,
quantas histórias
de delicadezas e dores,
páginas que não foram viradas,
tempos que insistem em não morrer…
Ali, em meio à agonia, os mortos
reescrevem arremedos de suas vidas.
E assim a casa vai se atulhando
de cristais e pratarias,
pedaços de tecidos,
horas em fragmentos,
corredores nascidos do peito.
Até que vem o dia:
o soalho encerado,
a mala pronta,
nada fora do lugar.
A Eternidade chega e habita a casa.
Lá fora, a vida
continua a enrolar o novelo,
queixando-se
do muito que ainda tem por fazer…

de Zeca Corrêa Leite

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>