21:42Uma ponte para Isaac Bashevis Singer

Acontece assim, desse jeito, e uma ponte se liga no tempo, no imaginário. Ontem terminei de ler a entrevista dada por Isaac Bashevis Singer a Philip Roth, publicada no livro “Entre Nós – Um escritor e seus colegas falam de trabalho” (Companhia das Letras). A frase sobre a distância das pessoas que morreram me impressionou. Publiquei hoje cedinho. Deixei de lado a comparação que o escritor judeu fazia com o país, no caso a Polônia, de onde saiu antes da ascensão de Hitler na Europa. Hoje cedo passei no apartamento onde moro e que, agora, visito de vez em quando, por questões que aqui não cabem explicar. Ao lado das inevitáveis contas, o envelope pardo com o jornal de literatura Rascunho dentro. Abri há pouco e, na página 23, me deparo com um artigo de Rodrigo Gurgel, de São Paulo, sobre o livro “No tribunal de meu pai”, de Singer. No primeiro parágrafo, Gurgel fala da mesma entrevista e, no segundo, a citação completa que se completa assim, além da citação deste blog: “Foi o que aconteceu comigo. A Polônia, a vida judaica da Polônia, está mais próxima de mim agora do que eu estava naquela época”. Agora Isaac Bashevis Singer agora está aqui dentro, porque assim foi escrito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>