12:04Além do espelho

Na voz de… João Nogueira

A vida é sempre uma missão
A morte uma ilusão
Só sabe quem viveu
Pois quando o espelho é bom
Ninguém jamais morreu

Quando eu olho o meu olho além do espelho
Tem alguém que me olha e não sou eu
Vive dentro do meu olho vermelho
É o olhar de meu pai que já morreu
O meu olho parece um aparelho
De quem sempre me olhou e protegeu
Como agora meu olho dá conselho
Quando eu olho no olhar de um filho meu

Sempre que um filho meu me dá um beijo
Sei que o amor de meu pai não se perdeu
Só de ver seu olhar sei seu desejo
Assim como meu pai sabia o meu
Mas meu pai foi-se embora no cortejo
E eu no espelho chorei porque doeu
Só que olhando meu filho agora eu vejo
Ele é o espelho do espelho que sou eu

Toda imagem no espelho refletida
Tem mil faces que o tempo ali prendeu
Todos têm qualquer coisa repetida
Um pedaço de quem nos concebeu
A missão de meu pai já foi cumprida
Vou cumprir a missão que Deus me deu
Se meu pai foi o espelho em minha vida
Quero ser pro meu filho espelho seu

de João Nogueira e Paulo César Pinheiro

Uma ideia sobre “Além do espelho

  1. Dá-lhe

    Alguém tem alguma dúvida sobre a mensagem contida nesses versos? Quem tem filhos e os curte de montão sabe o que João e Paulo César mandaram. Aliás João foi um cara muito bacana. Tranquilo que só êle sempre estava disposto à um bom papo. Tive a oportunidade de um bom papo quando, antes de sua morte, passou por Curitiba e fomos convidados para um “caldinho de feijão” no bar de um hotel no centro. Foi muito bom apesar de João já estar curtindo sua doença. Enfim, vamos manter sempre um espelho por perto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>