19:06Humildade

Senhor, fazei com que eu aceite
minha pobreza tal como sempre foi

Que não sinta o que não tenho
Não lamente o que podia ter
e se perdeu por caminhos errados
e nunca mais voltou

Daí, Senhor, que minha humildade
seja como a chuva desejada
caindo mansa,
na longa noite escura
numa terra sedenta
e num telhado velho

Que eu possa agradecer a Vós,
minha cama estreita,
minhas coisinhas pobres,
minha casa de chão,
pedras e tábuas remontadas.
E ter sempre um feixe de lenha
debaixo do meu fogão de taipa,
e acender, eu mesma,
o fogo alegre da minha casa
na manhã de um novo dia que começa

de Cora Coralina

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>