17:11Sem Lippmann, mas do mesmo jeito

A decisão do Conselho Nacional de Justiça, que afastou o desembargador federal Edgard Antonio Lippmann Junior, foi muito comemorada na seara do governador Roberto Requião; mas, segundo um professor doutor em Direito, não muda um milímetro as sentenças proferidas até aqui. Elas, em resumo, determinam que Requião se mantenha de bico fechado na Escola de Governo (e na rede TV Paraná Educativa) quando pensar em detonar alguém. Uma coisa é uma coisa. Outra coisa é outra coisa.

5 ideias sobre “Sem Lippmann, mas do mesmo jeito

  1. BIQUEI

    È uma transformação da água para o vinho!

    Não estamos aqui discutir os atos MARIA-LOÇA, mas, o comportamento de quem se julgava, acima do bem e do mal.
    Só não percebe que não quer.

  2. jango

    Os erros que eventualmente o magistrado tenha cometido, se confirmados a final, serão decepcionantes para uma sociedade que está muito necessitada de exemplos edificantes por parte dos poderes públicos. Contudo, tais erros não passam verniz de inocência aos atos do governador que cometeu desviu de poder ou finalidade pública ao utilizar da RTVE. É preciso exercer a discriminação do pensamento. Se ficamos mal com os erros do magistrado (se confirmados os fatos), já estamos muito pior com o governador de plantão. Ou não ?

  3. Edmond Dantes

    Ééééé´…, e o Requião tinha razão!

    Poucas vezes concordei com Requião, uma delas foi a disputa havida com o Ministério Pùblico que teve como aliado incondicional o Desembargador agora afastado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>