18:12HORÓSCOPO

por Osman Gadoso

Aquário

Mergulhou no mergulho que a foto resgatada num baú empoeirado embaixo da cama lhe mostrou. Olhou para frente e não viu azul de mar, de céu, nem nuvens. O que se passa no hoje? Não é tão importante que remete ao salto para o passado, a cabeça a procurar alguma coisa na imensidão com pouca visibilidade? Um dia estava no planador e toda vez que a aeronave de asas imensas entrava numa corrente termal, sentia um soco por baixo e o vôo tranformava tudo no deslizar do urubu com regência de Tom Jobim. Lá de cima viu os prédios da cidade grande há quarenta quilômetros – e isso lhe lembrou um cemitério à beira-mar perto Cabo Frio. Seriam sinais de morte ou de vida? No real, produzia algo, recebia por isso, estava satisfeito. Satisfeito? Passara tanto tempo sem se questionar, e tudo surgiu de novo. No mergulho de Porto Belo. No vôo em São Luis do Purunã. No feixe de carne, nervos e ossos irrrigados por sangue e movido a ar. Seu corpo, que sustenta a mente, alma, Deus e o Diabo na tarde de um sádado qualquer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>