15:26Parentinho, o resignado

por JamurJr.

Tem muita gente que passa parte da vida pensando na morte. Como será? Vai doer? Vou sofrer? Para onde vou? Tem vida depois da vida, ou tudo acaba quando o coração para? Essas indagações freqüentam a cabeça dos mais preocupados com o fim. Muitos chegam as raias do absurdo comprando caixão funerário que fica guardado numa dependência da casa, esperando o dia. Há os que compram espaço no cemitério e passam a se dedicar à manutenção do local, fazendo ajardinamento, cultivando flores e ervas que exalam perfumes, na chamada última morada. Tem ainda aqueles que deixam documentos escritos com algumas providências para serem tomadas após a “última viagem”. Um não quer coroa de flores, outro quer só flores brancas ou não quer “cravo de defunto”, que cheira a velório, e tem até quem não queira ninguém , além de parentes mais próximos ao lado do caixão. Conta o ex-deputado e historiador Nivaldo Kruger que em Guarapuava havia um cidadão,conhecido pelo apelido de Parentinho, muito popular e querido na cidade, que sempre viveu uma vida alegre e descontraída, sem maiores preocupações. Aparentemente era uma pessoa que vivia o dia de hoje sem pensar no futur - e muito menos na morte. Até que um dia procurou um amigo que  era “muito letrado” para pedir um texto que pretendia colocar na lápide de seu túmulo. Como era homem sem estudo, procurou a pessoa que considerou qualificada para  tão importante missão. O amigo achou estranho o pedido e procurou tirar da cabeça de Parentinho a idéia de morte, cemitério, túmulo etc. Parentinho decidiu, então,  ele mesmo  criar uma frase para ser colocada em seu túmulo. Pensou, pensou, escreveu várias frases sem sentido, outras com graves erros até que saiu uma que considerou a ideal para revelar seu sentimento. “Aqui jaz Parentinho, muito a contragosto, mas, o que fazer?”

3 ideias sobre “Parentinho, o resignado

  1. David

    A história é ótima, típica do velho Paraná representado pela gigante Guarapuava, o maior e um dos mais tradicionais municípios paranaenses, que não virou capital por pouco, embora o argumento do barão, à época, de que está no centro geográfico do Estado, à moda americana. Mas o melhor é o jeito do Jamur contar. Sensacional!

  2. Pé Vermelho

    Ô David…menos, menos. O texto, mixuruca, é apenas uma puxadinha no enrugado e esparramado saco do ex-ícone da política guarapuavana, agora travestido num baba-ovo do governador de pouco mais da metade dos paranaenses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>