18:09Pico na veia

De bode, não consigo comer. Falo sozinha, não sei onde estou. Fico dez dias sem dormir. Só converso comigo e penso maldade. Muita vez faço sem querer. Meto a faca num pivete. Seja ele, orra, não eu.

Comecei com cigarro, benzina, maconha, cola, éter. Depois pedra. Quando dá, pico na veia. Foi por safadeza mesmo e pra vingar do puto do pai. Só queria fazer sacanagem.

Alguma vez tiro cadeia só pra engordar. Tomara fique bastante tempo. Daí para um pouco na pedra. Chapada, quase me enforquei no casarão.

De Dalton Trevisan em “99 corruíras nanicas”

Uma ideia sobre “Pico na veia

  1. carlos

    ô ZB, manda mais DT que esse povo é preconceituoso. A Curitiba que o Dalton canta e conta não cabe na glamourizada “cidade sorriso” dessa burguesia que conhece de cor os “xóping de maiami”. Um pequeno reparo digitalográfico: muita, no primeiro parágrafo. abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>